NOTÍCIAS


Ex-funcionários do Twitter lançam serviços para competir com rede de Musk

Depois que Sarah Oh perdeu seu emprego como consultora de direitos humanos no Twitter no final do ano passado na primeira rodada de demissões após a aquisição caótica da empresa por Elon Musk, ela decidiu se juntar a um amigo na construção de um serviço rival.

Com Gabor Cselle, que já trabalhou no Twitter e no Google, lançou o T2, atualmente disponível em versão beta.

Como o Twitter, oferece um feed social de postagens com limites de 280 caracteres. Mas o principal ponto de venda, de acordo com Oh, é o foco na segurança.

“Realmente queremos criar uma experiência que permita às pessoas compartilhar o que desejam sem temer o risco de coisas como abuso e assédio, e sentimos que estamos muito bem posicionados para fazer isso”, disse Oh à CNN.

Nos meses desde que Musk completou sua aquisição, um número pequeno, mas crescente, de serviços foi lançado ou ganhou força apelando para usuários que se sentem desconfortáveis ​​com as decisões do bilionário de cortar funcionários do Twitter, repensar as políticas de moderação de conteúdo e restabelecer várias contas polêmicas banidas anteriormente, entre outros movimentos.

A lista de participantes mais recentes nos mercados inclui aplicativos criados por ex-funcionários do Twitter, uma startup apoiada por um dos investidores de Musk no Twitter e um serviço do ex-CEO do Twitter, Jack Dorsey.

Enquanto alguns aplicativos como o T2 se parecem muito com o Twitter, outros adotam uma abordagem diferente.

No mês passado, por exemplo, os fundadores do Instagram anunciaram o Artifact, “um feed de notícias personalizado” alimentado por inteligência artificial, uma descrição que rapidamente rendeu comparações com o Twitter.

No teste recente do aplicativo da CNN, no entanto, ele se assemelhava a aplicativos de leitura de notícias como o Apple News ou o extinto Google Reader.

O Artifact exibiu artigos populares de grandes organizações de mídia e blogueiros menores em um feed principal, adaptado aos usuários com base em suas atividades e interesses selecionados.

Mas todos esses aplicativos parecem estar disputando a oportunidade de sanar a vontade que os usuários podem sentir por um feed de notícias que não seja o Twitter – pelo menos enquanto durar a vontade.

“Algo que ouvimos muito de pessoas que estão saindo do Twitter, parcial ou totalmente, é que é apenas para eles uma experiência melhor em geral”, disse Jae Kaplan, co-fundador do clube Anti Software Software, o grupo que desenvolve o Cohost, um feed de mídia social baseado em texto semelhante ao Twitter.

O serviço foi lançado publicamente em junho do ano passado, depois que Musk se ofereceu para comprar o Twitter. Em novembro, depois que a aquisição foi concluída, a plataforma teve um aumento na atividade, adicionando 80 mil usuários em 48 horas.

“As pessoas têm se referido a nós quando o fazem como uma alternativa ao Twitter, o que eu acho que é uma distinção importante de uma substituição do Twitter”, disse Kaplan.

Substituir o Twitter, com sua robusta rede de jornalistas, políticos e animadores e considerável audiência de usuários obcecados por notícias em tempo real, pode ser um desafio.

Embora aplicativos como o Cohost tenham visto um impulso renovado, seu público continua sendo uma pequena fração do tamanho do Twitter, que tinha mais de 200 milhões de usuários ativos diários no ano passado.

A Cohost tem atualmente 130 mil usuários, dos quais apenas 20 mil são o que a plataforma considera como ativos, de acordo com Kaplan.

O T2 tem uma lista de espera na casa dos cinco dígitos, segundo Oh, que diz que esse número continua a crescer.

O Mastodon, o rival recente do Twitter mais conhecido, atingiu 2,5 milhões de usuários em novembro, mas desde então caiu para 1,4 milhão, em um possível alerta para outros serviços.

“O titular tem a vantagem de escala e, mesmo em uma situação em que você tem uma figura polarizadora como Musk assumindo o Twitter, as pessoas estão percebendo que as plataformas mais novas não são tão eficazes de um para muitos, obtendo sua mensagem lá fora”, disse Tom Forte, analista de pesquisa sênior da DA Davidson. “Apesar do fato de que pode haver consumidores insatisfeitos, eles ainda estão tuitando.”

Em novembro, pouco após assumir a empresa, Musk afirmou repetidamente que o Twitter continuava a atingir o número de usuários “mais alto de todos os tempos”, apesar da onda inicial de usuários ligando para abandonar a rede social. (Como parte da aquisição, Musk tornou o Twitter privado e a empresa não relata mais números de usuários em registros trimestrais de valores mobiliários.)

“Se as pessoas vão embora, para onde vão? Ao que tudo indica, não há plataforma no momento capaz de assumir a função do Twitter e nada está realmente preparado para isso”, disse Karen North, professora clínica da USC Annenberg School for Communication and Journalism.

“Nenhuma plataforma tem uma base de usuários global, representando pessoas de todas as esferas da vida da maneira que o Twitter faz”, completa.

Para complicar as coisas para os rivais, parte da fúria inicial e da atenção da mídia sobre o Twitter de Musk provavelmente desapareceu nos meses desde que o acordo foi fechado.

Embora a controvérsia permaneça, muitos usuários da rede social podem sentir menos urgência em abandonar o navio hoje do que no final de outubro.

Ainda assim, o fundador do Mastodon, Eugen Rochko, não está preocupado.

“Uma plataforma não pode continuar viralizando perpetuamente”, Rochko disse recentemente à CNN sobre a queda no número de usuários do Mastodon.

Ele ainda fala que “o ciclo de notícias da mídia e atenção nas mídias sociais simplesmente desaparece depois de algum tempo, mas deixa para trás o crescimento orgânico que tínhamos antes de novembro e que ainda temos agora.”

 

Versão original | CNN




16/02/2023 – Primeira Capital FM

COMPARTILHE

SEGUE A @@PRIMEIRACAPITALFM

(65) 98124-7864

radioprimeiracapitalfm@gmail.com
Vila Bela da Santissima Trindade-MT
Rua Conde Azambuja, 859

NO AR:
ARRASTA PÉ - PRIMEIRA CAPITAL FM